• Porgrama + Feliz
  • Os nossos números

Apoio social

1 - Centro Comunitário Porta Aberta

O Centro Comunitário da Delegação de Águeda da Cruz Vermelha Portuguesa funciona desde 2005, no âmbito de um protocolo entre esta Instituição e o Instituto de Segurança Social. Os pressupostos que deram origem à criação desta resposta atípica surgiram da necessidade de criar respostas comunitárias específicas integradas para colmatar as carências de grupos de população mais vulneráveis e sem resposta por parte de outros serviços. Pretendia-se assim, criar respostas inovadoras e integradas mas sobretudo que agissem como um polo de desenvolvimento social e dinamizador das sinergias locais.

As atividades desenvolvidas nas diversas respostas que constituem o Centro Comunitário, visam sobretudo promover a pessoa e a família como agentes principais do seu desenvolvimento, abordando os problemas de uma forma sistémica e integrada e dinamizando metodologias de intervenção que privilegiam o trabalho social em rede, de acordo com os princípios chave orientadores desta mesma resposta.

Trata-se de uma estrutura polivalente, vocacionada para o exterior e para a intervenção na comunidade, que se perspetiva como um polo de animação comunitário.

Nos últimos anos as exigências e os desafios colocados pela intervenção social têm vindo a exigir adaptações e a criação de repostas inovadoras e criativas que vão de encontro às crescentes exigências da população que integra esta resposta. Os desafios técnicos e humanos têm vindo a ser cada vez maiores, e a especialização dos Técnicos e colaboradores reside na formação e na experiência adquirida com os anos de intervenção com os grupos alvo, bem como no amplo conhecimento da comunidade, dos grupos que a constituem e das suas necessidades, estando estabelecida uma relação de confiança, que levou a que esta resposta passasse a ser reconhecida pela comunidade como essencial ao seu desenvolvimento, havendo um claro respeito e reconhecimento do trabalho e impacto que o Centro Comunitário tem tido ao nível local.

A intervenção realizada tem sempre por base o respeito pelos direitos e dignidade das pessoas, envolvendo-as diretamente em todos os processos, colmatando as suas necessidades, dinamizando atividades, integrando redes de voluntariado, capacitando-as e promovendo a integração social e o bem-estar de todos os cidadãos e comunidade.

Assim, nesta lógica, o trabalho realizado é flexível, próximo e adaptado à realidade das pessoas, contribuindo para a construção da vida comunitária numa óptica integrada e dinâmica, contemplando processos participativos que reforça o estabelecimento de dinâmicas locais.

1.1 - Gabinete de Atendimento e Acompanhamento Psicossocial

Neste serviço realiza-se o atendimento/acompanhamento, encaminhamento e informação a cidadãos e/ou famílias em situação de carências diversas ao nível da satisfação das necessidades básicas (alimentação, vestuário, higiene e outras), baixos rendimentos, presença de endividamentos, grandes encargos, fraca comparticipação financeira de alguns elementos do agregado familiar, dificuldade no acesso à proteção social, dificuldade na inclusão de indivíduos em situação de vulnerabilidade social e de indivíduos em situação de sem-abrigo. Pode-se ainda disponibilizar apoios pecuniários - apoios económicos eventuais para aquisição de bens essenciais ou apoio na organização económica do agregado familiar.

1.2 - Gabinete de Psicologia

Com o Serviço de Psicologia pretende-se efetuar Consultas de Psicologia individualizadas, implementação de programas individualizados de treino de competências, reabilitação neurocognitiva, avaliação psicológica para encaminhamentos diversos (Cursos de Formação; Unidades Residenciais para pessoas com deficiência; Pensão de Invalidez; Apoio aos Tribunais/Apoio às Equipas de Assessoria aos Tribunais e outros que se justifique), dinamização de grupos de autoajuda, resposta às necessidades da população do concelho de Águeda, ao nível do acompanhamento psicológico/consultas individualizadas de psicologia e aos encaminhamentos efetuados por outros serviços. Com este serviço pretende-se promover a melhoria da saúde mental da população carenciada do concelho de Águeda, promover a diminuição de problemáticas sociais tais como alcoolismo, violência doméstica e outras, a melhoria nas relações interpessoais, incremento dos níveis de investimento no cumprimento dos projetos de vida e objetivos pessoais, fomentar o aumento da flexibilidade/diminuição da rigidez cognitiva e a facilitação dos processos de encaminhamento para entidades diversas.

Os destinatários e beneficiários são: crianças, jovens, adultos e idosos, em situação de carência socioeconómica e/ou risco social, portadores de problemáticas que justifiquem a necessidade de intervenção psicológica individualizada, nomeadamente: indivíduos com perturbação afetiva e emocional, portadores de doença mental, pessoas com problemas de alcoolismo e outras dependências, situações de violência doméstica, pessoas em situação de crise e com necessidade de suporte, crianças e jovens com Processos de Promoção e Proteção, pessoas com processos judiciais/apoio aos Tribunais e outras situações que se justifique após avaliação técnica.

1.3 - Cantina Social e Comunitária

A Cantina Social funciona 365 dias por ano e fornece refeições confecionadas para indivíduos que, permanente ou temporariamente, não possuam condições (físicas, mentais, logísticas, materiais) para a confeção autónoma das refeições, gratuitas ou mediante o pagamento de uma comparticipação de acordo com a sua situação económica.

Através da Cantina Comunitária, todos os associados da instituição podem usufruir das refeições de almoço e/ou jantar, as quais podem realizar no refeitório da instituição e/ou em regime de take way.

1.4 - Banco de Alimentos

Apoio em géneros alimentares para indivíduos que possuam condições (físicas, mentais, logísticas, materiais) para a confeção autónoma das refeições. Estes géneros alimentares são disponibilizados no âmbito da adesão, realizada anualmente ao Banco Alimentar Contra a Fome, e de outras campanhas nacionais e locais de recolha de alimentos (Missão Continente, entre outras), que envolvem voluntários (alguns deles clientes do Centro Comunitário) e colaboradores da Instituição.

Através da aprovação da Candidatura em 2017 ao Portugal 2020, disponibilizamos ainda géneros alimentares a 260 destinatários de todo o concelho de Águeda, enquanto entidade Coordenadora e Mediadora em parceria com Os Pioneiros, enquanto entidade mediadora, no âmbito do Programa Operacional de Apoio População Mais Carenciada (POAPMC).  

1.5 – Banco de vestuário, calçado e artigos para o lar

Apoio em vestuário e outros têxteis, doados pela população e por empresas locais e regionais, a pessoas com carência destes produtos e dificuldade na sua aquisição.

1.6 - Banco de Ajudas Técnicas

Dispõe de um Banco de Ajudas Técnicas (cadeiras de rodas, camas articuladas, colchões e almofadas anti-escaras, auxiliares de marcha, distribuição de fraldas descartáveis a pessoas incontinentes, entre outros) para aluguer, mediante comparticipação simbólica, ou empréstimo gratuito de ajudas técnicas a indivíduos da comunidade que delas necessitem; Apoio na organização de processos para o pedido de financiamento de ajudas técnicas ao Núcleo de Cooperação e Respostas Sociais do Centro Distrital de Segurança Social de Aveiro.

1.7 - Lavandaria Social e Comunitária

 Serviço disponível a todos os clientes das restantes respostas do Centro Comunitário e da comunidade. Dirige-se a clientes, que por dificuldades diversas (logísticas, pessoais e sociais) não dispõe de condições para fazer a higiene e o tratamento da roupa de forma autónoma, necessitando de apoio a este nível. Esta resposta poderá ser gratuita, em casos de elevada carência socioeconómica, ou mediante pagamento de uma comparticipação, conforme previsto no Regulamento Interno. Este serviço, esta disponível ainda a todos os associados da instituição, a preços acessíveis.

1.8 - Balneários Sociais

 Serviço gratuito disponível para os clientes das diversas respostas existentes integradas no Centro Comunitário e todos os elementos da comunidade que não disponham de meios, condições e hábitos para realizar a higiene pessoal em casa. São criadas condições para a realização da higiene, sobretudo dos clientes que apresentam mais vulnerabilidade. É distribuído um Kit de higiene com os produtos necessários e fornecida uma muda de roupa limpa, com o apoio da Lavandaria Social e Banco de Roupas.

1.9 - Banco de Voluntariado

 Pretende-se dinamizar um Banco de Voluntariado, através da organização de ações com vista à angariação de voluntários, nomeadamente jovens e adultos pertencentes à comunidade de Águeda, com disponibilidade para prestarem serviço de voluntariado e clientes da instituição e de outros serviços e respostas locais com competências que lhes permitam integrar bolsa de voluntariado.

Constata-se a necessidade de promoção do voluntariado, como importante agente da transformação das sociedades e necessidade de melhoria na rede de voluntariado existente.

1.10 - Ateliers Ocupacionais

Surgiram a partir das necessidades que se encontraram no trabalho desenvolvido no terreno, sobretudo ao nível da intervenção com sem-abrigo e pessoas com doença mental e crónica. Pretendem ocupar pessoas em situação de fragilidade social, promover competências e hábitos de trabalho, promover a autoestima, a capacidade de iniciativa e a socialização, bem como outras competências pessoais e sociais que sejam facilitadoras da reintegração comunitária, e se possível, no mercado de trabalho. Para além de um espaço formativo, constituem-se acima de tudo como um espaço onde as pessoas podem estar, muitas vezes dar um sentido à vida, reorganizarem-se ou finalizarem um processo de recuperação ou tratamento. Este espaço é frequentado por pessoas à procura do primeiro emprego ou desempregadas de longa duração, a maior parte delas com patologias mentais, doenças crónicas ou com idade próxima da reforma por velhice mas já sem condições de integrar o mercado de trabalho. A maior parte dos clientes são pessoas em situações sociais e psicológicas muito degradadas com experiências de vida muito negativas, em situação de isolamento social e que passariam o dia sozinhas em casa (ou na rua) caso não tivessem este suporte.

Dinamiza-se ainda atividades de animação para os clientes, atividades que envolvam a reciclagem e o reaproveitamento de materiais numa lógica de economia ambiental e ainda numa ótica de trabalho de competências socias e emocionais.

1.11 - Ateliers de Desenvolvimento de Competências para Jovens dos 12 aos 16 anos

Este serviço abrange jovens, dos 12 aos 16 anos de idade, com dificuldades de aprendizagem, absentismo/insucesso escolar, oriundos de famílias multiproblemáticas, nas atividades decorrentes desta resposta social. A participação, em período letivo e de férias escolares, em atividades de animação sócio-cultural e aprendizagem de Ateliers de desenvolvimento de competências nas áreas da Informática, Serralharia, Expressões Artísticas, Fotografia, Animação, bem como o apoio psicossocial que beneficiam, permitem aos jovens a aquisição de experiências enriquecedoras ao nível artístico e sócio-pedagógico.

 

1.12 - Banco de dinamização de atividades para a Inclusão Social e Grupos Interajuda

 A instituição organiza atividades complementares com o objetivo de promover a cidadania, informar sobre direitos e deveres dos cidadãos em várias áreas, promover a tolerância, a cidadania, a aceitação e o respeito pela diferença, envolver recursos da comunidade e sensibilizar as empresas locais para a responsabilidade social constituindo como um meio facilitador para acesso a informação útil, particularmente sobre legislação relevante.

Com estas atividades pretende-se que sejam dirigidas a indivíduos e famílias pertencentes a territórios isolados e meios desfavorecidos, beneficiários de RSI, pensionistas, desempregados e todos os beneficiários de outras respostas sociais, idosos e pessoas com limitações na autonomia e dificuldade de acesso à informação e a comunidade em geral.

Ainda neste âmbito, a instituição organiza e/ou participa a nível nacional através da Cruz Vermelha Portuguesa e/ou outras entidades, sempre que possível, em Campanhas de Recolha de Alimentos, brinquedos, material escolar e outros considerados pertinentes para promover a qualidade de vida das famílias.

2 – Centro Alojamento Temporário para Passantes e Sem Abrigo (CAT)

O CAT, resposta social de emergência em funcionamento permanente, com lotação de 16 vagas, destina-se alojar pessoas em situação de carência sócio-económica, população flutuante e famílias desalojadas, de ambos os sexos, dos 18 aos 65 anos, em conformidade com o estabelecido com o Instituto Segurança Social.

A intervenção realizada junto desta população, desenha-se em vários níveis:

  • Satisfação das necessidades básicas: alojamento, alimentação, higiene e tratamento de roupas;
  • Acesso a serviços de saúde, nomeadamente o encaminhamento para consultas de medicina familiar, de especialidades médicas e exames clínicos; Sempre que se justifique são efetuados encaminhamentos para consultas específicas de despiste de doença infecto-contagiosas;
  • Realização de ações de despiste através de Equipa de Enfermagem voluntária e/ou Equipa Clinica da Farmácia (medição da tensão arterial, glicemia, entre outros), triagem e encaminhamento em relação a diversas patologias (diabetes, doenças cancerígenas, doenças cardiovasculares, entre outras);

Acompanhamento psicossocial;

Promoção da sua reinserção sócio-familiar e profissional;

Promoção de atividades para ocupação de tempos livres, tendentes à integração e aumento de auto-estima deste grupo socialmente excluído;

Organização de Ações de Sensibilização temáticas;

Proporcionar atividades de exterior;

Comemoração de datas festivas.

3 - Protocolo do Rendimento Social de Inserção (RSI)

O RSI consiste numa prestação incluída no subsistema de solidariedade e num programa de inserção, de modo a conferir às pessoas e aos seus agregados familiares apoios adaptados à sua situação pessoal, que contribuam para a satisfação das necessidades essenciais e que favoreçam a progressiva inserção laboral, social e comunitária.

Através da celebração do Protocolo com o Instituto da Segurança Social, efetua-se o acompanhamento psicossocial de 100 agregados familiares, sendo desenvolvidas ações no âmbito do acompanhamento de famílias vulneráveis, através da elaboração de informações sociais, visitas domiciliárias, diagnósticos sociais, elaboração e celebração de contratos de inserção, bem como acompanhamento social.

Além do acompanhamento supracitado, a intervenção com os beneficiários, traduz-se na dinamização de:

  • Ações de Sensibilização e Temáticas, definidas em função das necessidades e características dos beneficiários;
  • Frequência dos Ateliers Ocupacionais e Voluntariado da Instituição;
  • Intervenção em grupo, com vista ao desenvolvimento de competências específicas, como: Workshop “Educação e Gestão Financeira”, Workshop “Higiene Doméstica e Pessoal”, Workshop “Escola de Pais – apoio à parentalidade”, Workshop “Desenvolvimento e Valorização Pessoal”, Ação “Direitos e Deveres dos beneficiários do RSI” e o Projeto “Empregar para (Re)Integrar”. 

4 - Protocolo Rede Solidária de Cantinas Sociais - Plano de Emergência Social

Através de um Protocolo celebrado em 28 de Maio de 2012 com o Instituto Segurança Social, a Delegação de Águeda introduziu mais uma resposta social. A Cantina Social insere-se na Rede Solidária das Cantinas Sociais e constitui-se como uma resposta de intervenção no âmbito do Programa de Emergência Social, que tem como objetivo suprir as necessidades alimentares dos indivíduos e famílias em situação de vulnerabilidade socioeconómica, através da disponibilização de refeições. Os beneficiários da Cantina Social têm que se enquadrar numa das seguintes condições: Idosos com baixos rendimentos; Famílias expostas ao fenómeno do desemprego; Famílias com filhos a cargo; Pessoas com deficiência e Pessoas com dificuldade em ingressar no mercado de trabalho.

5 -  Projeto "Dar Voz" - EAVVD (Espaço de Atendimento a Vítimas de Violência Doméstica)

O Projeto “Dar Voz” constitui uma resposta específica de proteção a vítimas associadas à Violência Doméstica e Igualdade de Género, prestando-lhes serviços gratuitos e confidenciais. Promove a informação, o atendimento e o acompanhamento às vítimas, assim como a realização de ações de sensibilização para públicos estratégicos e para a comunidade em geral, integrando geograficamente a sua área de intervenção nos municípios de Sever do Vouga, Albergaria-a-Velha, Águeda, Anadia e Oliveira do Bairro.

6 -  RAP – Respostas de Apoio Psicológico para Crianças e Jovens Vítimas de Violência Doméstica.

A Estrutura de Atendimento a Vítimas de Violência Doméstica da Delegação de Águeda da Cruz Vermelha Portuguesa “Dar Voz”, integra  uma resposta especializada no apoio psicológico e psicoterapêutico para crianças e jovens vítimas de violência doméstica e que assume a designação de RAP – Respostas de Apoio Psicológico para crianças e jovens vítimas de violência doméstica.
Esta resposta abrange os municípios de Águeda, Anadia, Oliveira do Bairro, Sever do Vouga, Murtosa e Ovar (Esmoriz, Cortegaça e Maceda). A Equipa Dar Voz assegura localmente o atendimento e o apoio jurídico, psicológico e social, consoante as necessidades de cada vítima, através de um serviço gratuito e confidencial.
Esta nova resposta surgiu no âmbito de projetos co-financiados pela Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género, Programa Operacional Inclusão Social e Emprego, Portugal 2020 e Fundo Social Europeu da União Europeia.


Partilhar
Powered by jms multisite for joomla